A intervenção ABA

A intervenção ABA

A abordagem ABA (Applied Behavior Analysis), tem como seus principais objetivos, o ensino de novas habilidades e a redução de comportamentos inadequados.

Em relação ao ensino de novas habilidades, a análise do comportamento investiga quais são os repertórios que o indivíduo possui e os que devem ser ensinados assim, o primeiro passo da intervenção em ABA é a avaliação das habilidades atuais da criança, esta avaliação servirá de base para montar o currículo individual que é dividido em uma série de categorias, que envolvem habilidades sociais, habilidades de autocuidado, habilidades motoras, habilidades de comunicação e habilidades acadêmicas.

A ABA dispõe de algumas estratégias de ensino para o treino de novas habilidades, algumas delas são: o Ensino por Tentativas Discretas (DTT), O Ensino em Ambiente Natural, o Ensino Incidental, a Análise de Tarefas, o Ensino por modelagem, entre outras.

Todas estas estratégias baseiam-se nas descobertas de Skinner, sobre Condicionamento Operante, que significa que um comportamento seguido por um estímulo reforçador resulta, em uma probabilidade maior de que aquele comportamento ocorra em outros momentos. Os analistas do comportamento intervém planejando contingências para que consequências reforçadoras fortaleçam respostas adequadas, desta forma novas habilidades são ensinadas.

Sabendo a importância dos reforçadores, faz-se necessário que o terapeuta tenha em mãos os itens preferidos da criança, para isso a Avaliação de Preferência é necessária ser feita no início da abordagem ABA e reavaliada sempre que necessário. As avaliações de preferência identificam itens (brinquedos, jogos, alimentos, atividades e outros) preferidos da criança que possam ser usados como reforçadores no ensino. Conhecer os itens preferidos da criança e o que a deixa motivada durante o momento de aprendizado é fundamental para a eficácia da intervenção.

Em relação a redução de comportamentos inadequados faz-se necessário uma avaliação para entender a função do comportamento alvo da criança. O analista do comportamento não se baseia na topografia (forma) do comportamento e sim numa relação de contingências, precisa-se descobrir o que mantém tal comportamento, bem como os estímulos que estão presentes quando o comportamento inadequado ocorre. Através de uma análise funcional do comportamento é possível identificar quais as variáveis que estão determinando os comportamentos, identificando essas variáveis é possível criar estratégias para modificá-las e assim diminuir comportamentos inadequados.

A abordagem ABA é eficaz e baseada na ciência. Existem vários estudos que dão suporte à prática, por isso está cada vez mais sendo utilizada. É importante salientar que o trabalho em conjunto envolvendo a equipe de profissionais, escola e família aumenta as oportunidades de aprendizado e de generalização.

Luana Passos
(Psicóloga e Diretora da SOMAR)

Autor

Luana Passos

Sem comentários.

Junte-se à conversa

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.